19:22:16 Sexta, 20 Setembro 2019

O verdejante Barranco de Guayadeque é considerado um dos mais bonitos vales da ilha. Nas suas encostas crescem cactos, agaves, papoilas, amendoeiras e pinheiros-das-Canárias, além de outras 80 espécies endémicas. As vilas vizinhas de Ingenio e Agüimes são abastecidas pela água da corrente que percorre o barranco.

Na época pré-histórica este vale era o mais povoado da ilha, encontrando-se aí importantes necrópoles em grutas inacessíveis. Os Guanches – antigos habitantes da ilha – usaram-nas também como habitações, armazéns e local para celebração de ritos de fertilidade. No século XIX, depois dos aldeões da área terem começado a saquear as grutas e a vender os achados arqueológicos ao Museo Canario de Las Palmas, a área acabou por ser classificada como reserva natural para evitar a sua devastação.

Abrigando também uma das maiores espécies de lagartos do mundo – o “lagarto canarión” (lagarto-gigante-da-Gran-Canaria) –, o Barranco de Guayadeque é excelente para os caminhantes experientes, que aí podem fazer belos passeios tanto sozinhos como em expedições organizadas. Contudo, como a estrada pavimentada segue para além do Museo de Guayadeque (Centro de Interpretación Arqueológica), é também possível apreciar as magníficas paisagens do vale sem grande esforço. A estrada passa por duas aldeias formadas por cavernas onde as populações actuais se fixaram usando as habitações outrora escavadas pelos Guanches. Nas aldeias existem pequenas capelas, um bar e um restaurante. O percurso termina em Tagoror – um famoso restaurante instalado numa gruta, onde as refeições são acompanhadas por vinhos locais e música regional.