19:18:02 Sexta, 20 Setembro 2019

O mais importante sector da economia canária é a indústria do turismo, responsável por cerca de 80% do rendimento bruto do arquipélago. Com um dos climas mais agradáveis do mundo, as Ilhas Canárias atraem milhões de turistas todos os anos. No entanto, os habitantes dependem de mais actividades para completar o seu rendimento, como a produção de banana e outros produtos agrícolas para exportação, além de novos serviços relacionados com o turismo.

Nos séculos que se seguiram à conquista espanhola, os pilares da economia canária foram a produção de açúcar e de vinho. O açúcar foi introduzido nas ilhas logo após a conquista, com cana importada da Madeira, mas a sua importância decaiu em meados do século XVI devido à forte concorrência do Brasil e das ilhas das Caraíbas, que o produziam muito mais barato. A indústria vinícola, que atingiu o apogeu no século XVI, entrou em colapso no início do século XVIII devido a uma praga de gafanhotos e ao míldio, que destruíram as vinhas. No entanto, esta tem vindo a recuperar, e os vinhos da Gran Canaria, Lanzarote, La Palma e Tenerife são agora muito elogiados.

Entre 1830 e 1870, o aumento da procura internacional de carmim, um corante muito usado na indústria alimentar, levou a que a produção de cochinilha prosperasse em todas as ilhas e prometesse um futuro auspicioso para a população mais empobrecida. No entanto, o sonho foi de curta duração, pois o desenvolvimento dos corantes sintéticos provocou um rápido desinteresse por aquele insecto.

Entretanto, por volta de 1850, a economia do arquipélago foi salva pela introdução do cultivo de bananas. Os bananais foram gradualmente aumentando de importância, e a banana tornou-se o principal produto de exportação de Gran Canaria, atingindo o apogeu no início do século XX. Contudo, a forte concorrência dos países latino-americanos veio mais uma vez levantar problemas. Como era impossível sobreviver exclusivamente da exportação de bananas, os agricultores locais foram obrigados a diversificar a produção, cultivando tomates, batatas, legumes e frutas exóticas.

Embora o mercado espanhol continue a proteger a banana canária da concorrência estrangeira, o seu cultivo é pouco rentável devido aos custos elevados de produção e à escassez de água. Os tomates são cultivados à escala industrial para exportação, principalmente entre Novembro e Abril. Nos últimos anos, o cultivo de flores e plantas ornamentais para exportação tem vindo a tornar-se uma indústria em expansão.